29 de jan de 2009

Oração...Homenagem Póstuma a Sócrates

Oh! Santo Sócrates...
Ajude-me a ser sábio
E que de posse de tal sabedoria
Eu saiba reconhecer meu próprio ser...
E quando conseguir esta maravilhosa façanha
Que eu consiga entender
Que nada sei, que tudo é aprendizado...
Que com sua ajuda a me iluminar
Dentro dessas trevas do nada saber
Eu possa indagar sempre
E a nada, nada responder
Apenas concluir que simplesmente
Não sei!

Que eu possa dialogar usando a razão
E que eu seja entendido com clareza por todos.
Que eu seja virtuoso em meus diálogos
Que eu seja como tu,
O caminho para as mensagens dos Deuses
Pois sinto que eles existem!
E que, talvez estejam entre a “infinitude”
Do Céu e da Terra.

Santo Sócrates...
Que eu não seja castigado por
Simplesmente não saber, por não
Compreender nem a tudo e nem a todos.

Santo Sócrates... Guerreiro
Interceda por mim junto a Zeus,
Sei que és amigo dos Deuses
Pois estes reconhecem tua
Imensa sabedoria...grande sabedoria!

Que eu seja humilde para
Reconhecer meus defeitos, meus erros.
Que assim seja para todo o sempre de minha
Insignificante existência!

Márcia Alcântara
outono de 2006

26 de jan de 2009

Bela Frase...

Procurando era o que eu fazia em frente a minha estante de livros. Minha cabeça encontrava-se vazia. Precisava de algo para ocupar meu tempo. Eu estava em casa, o dia estava nublado e nada me chamava atenção. Resolvi procurar algo para ler. Um labirinto de palavras me faz bem. Olhei para a estante e nenhum livro me chamou, parecia que estavam dormindo, quietos e em silencio. Eu ouvia apenas o “tic-tac” do relógio. Mas de repente, um livro brilhou em dourado. Na verdade sua capa é amarela, talvez ele não tenha brilhado, prefiro acreditar que ele brilhou sim. O livro era mais um de minhas coleções, em particular este era um livro de coleção que se encontrava em uma determinada revista e o titulo dele era Feng-Shui. É eu amo tudo o que é místico, amo tudo aquilo que não pode ser explicado. Amo inclusive aquilo que não vejo, amo o que sinto. É eu acredito em magia e coisas do gênero. Explicando a grosso modo do que se trata o Feng-Shui, é uma maneira de “harmonizar” ambientes, restaurando a energia do ambiente e de todos que se encontram por lá, aplica-se técnicas tais como o uso de cores em determinado espaço do ambiente ativando a energia de determinado “setor” da vida. Encontra-se este setor através de uma bússola que se chama Baguá, dividindo a casa ou o ambiente em setores tais como: Sucesso (elemento Fogo), Relacionamentos (elemento Terra), Criatividade (elemento Metal), Amigos (elemento Metal), Trabalho (elemento Água), Espiritualidade (elemento Terra), Família (elemento Madeira), Prosperidade (elemento Madeira), a grosso modo como disse acima é a mais ou menos isso, e bem mais para menos, porque o efeito é poderosíssimo. Bem na verdade não é sobre o Feng-Shui que eu queria falar. Mas da “Bela frase” que eu encontrei. Folhei o livro, olhei cada pagina, passei os olhos por algumas frases que me chamou atenção. O “Tic-tac” continuava. O livro acabou, cheguei a sua ultima pagina. Quando de repente não senti mais frio ou calor, me esqueci de como o tempo estava. O “tic-tac”, não o escutei mais. Mas o livro resolveu me falar esta frase, que ouvi em voz alta quando ele começou com uma voz tão doce, e tão estranha ao mesmo tempo que é inefável poder descrever aqui com palavras, se eu descrever aqui como é a voz que ouvi, vocês simplesmente cairão em um labirinto de letras sem explicação e provavelmente não conseguirão sair ou entender. A bela frase é “O Maravilhoso de uma casa não é que ela nos abrigue, que nos aqueça, nem que seja dono de suas paredes, e sim que tenha depositado lentamente em nós essas provisões de doçura. Que ela forme, no fundo do coração, esse maciço obscuro do qual nascem os sonhos como águas de um manancial.” (Antonie de Saint-Expéry). Esta é a bela frase que queria apresentar a vocês. Com minha mania de “achismos”, achei-a simplesmente Bela. Quando me dei conta, alias quando a voz cessou, percebi que o “tic-tac” novamente ecoou, eu já procurava a Lua no Céu. Mas ela não apareceu.

Marcinha Luna
Verão de 2009

Lua Nova...

Olhei para Céu e não encontrei sua Luz.
Fiquei triste ao pensar que talvez tivesse
De mim se esquecido!
Me lembrei que a Senhora
Se escondeu, de mim e de todos,
Me lembrei que foi recuperar
Sua energia, tornar-se Nova
Para mais um ciclo dar inicio!
Estarei contigo sempre,
Entendo agora que não
Necessito vê-la, mas sim
Senti-la!
Amo-te Minha Mãe Lua!
Paz, luz e harmonia!


Lua Nova -> 04h55m
de 26/01/2009

22 de jan de 2009

Filosofia/Filosofar!

Filosofia/ filosofar!
O que realmente é isso?
Para que realmente serve tal coisa?
Como se consegue isso?
Ainda estou no inicio do caminho,
Procurando princípios e conceitos,
Não sei ao certo se encontrarei,
Tudo indica que não chegarei a um conceito final.
Uma só vida me parece curta
Para se descobrir e aprender tantas coisas
Uma vez que a água se torna o principio de tudo...
Concordo e descordo, tento ver com a razão,
Mas o sentimento me domina.
O Ar e seus mistérios invisíveis
Talvez seja a totalidade de tudo o que há,
Não sei se concordo, ainda não sei se tudo é!
O infinito por ser invisível é o fim
A que tudo se destina...
Não da para saber sua realidade
Não o vejo então desconfio!
O fogo e seu calor, as coisas se complementando
Umas ligadas as outras por fio
Que não se vê e nem se sente...
Uma totalidade de quatro causas
Substancias, formas, eficiência e finalidade...
Até me parece plausível, mas ainda
Me ponho a desconfiar e perguntar o porque,
Isso me traz duvidas e fico certa de uma coisa
“só sei que nada sei”
não me canso de dizer estou no começo
pois tenho quase certeza, algo me diz
não sei se minha alma ou meu corpo,
que não encontrei o final, permanecerei sempre
e sempre no começo, pois o final, eu sinto
que esta distante, talvez no infinito,
no além invisível de todas as coisas que são,
se é que elas realmente são...
quanta coisa a aprender, sei que quanto mais
se sabe, mais se é cobrado por tal sabedoria,
e quanto mais vivo, mais sinto que há mais a saber,
mais a aprender, mais a descobrir
saber sobre tudo,
Aprender a indagar,
Descobrir sobre mim, quem sou, se realmente sou,
O por que de mim....
Quando achamos
Quem realmente somos
Grande surpresa!
Sempre novos acontecimentos,
Uns bons outros ruins.
Mas um ciclo necessário
Através dos ruins poderemos
Compreender o que realmente se é bom.
Vida! Tão curta!
Hoje e somente hoje é que percebo isso
A imensidade do mundo...
O quanto ainda há o que conhecer
Impossível calcular, dizer e avaliar,
Possível é apenas sentir
Enquanto lutamos com nós mesmos
A tentativa de descobrir se somos,
Enquanto ainda nos sentimos vivos
E capazes de correr atrás, mesmo
Tendo a consciência de que podemos
Nada descobrir, mas com o sentimento
De satisfação por saber sempre mais e mais,
Sem nada saber realmente,
Pois quando vir a conhecermos tudo
Ou sentimos que isso aconteceu,
Não mais existiremos e
Então será fim de ciclo, essência extinta.


Marcinha Luna
Outono de 2006.
Paz, luz e harmonia!

19 de jan de 2009

Tempo

Tempo. Deixa marcas. Boas e ruins. Sem cheiro ou paladar. O tempo se vai, simplesmente desaparece no horizonte. Não posso ficar admirando-o partir. Se isso acontecer perco o que esta por vir, que simplesmente passa e não me da satisfação alguma. Apenas passa. Desaparece. Deixa suas marcas. Boas e ruins. Sem cheiro ou paladar. Passou.

Marcinha Luna

18 de jan de 2009

Sagrada, Sabia Lua...

Oh Sagrada Lua!
Afaste do meu caminho a escuridão,
Trazendo para o meu caminho a Luz;
Afaste do meu caminho os sentimentos negativos,
Colocando em seu lugar, a esperança e a compreensão;
Afaste do meu caminho a doença e a falta de vitalidade,
E que em seu lugar, coloque a saúde e a energia;
Afaste do meu caminho meus medos e decepções,
Minhas incertezas, minhas tristezas...
Que eu e aqueles que desejam o meu bem estar,
Sejamos alegres e felizes,
Prósperos e equilibrados.
Oh Sagrada Lua!
Auxilie-me trazendo
Para o meu caminhar a sabedoria!
Que assim seja...
Paz, luz e harmonia!


Marcinha Luna

13 de jan de 2009

Tempo...Labirinto

Corro. Vivo a correr a todo o momento. Minha referencia de tempo é uma. Para as coisas que tenho para fazer, o tempo simplesmente é outro. Qual o verdadeiro? Não sei!
Tem algum verdadeiro? Sei lá! Existem dois? Não sei o que responder. Sigo uma linha que parece não ter fim. Talvez a linha do tempo tenha fim, ainda não sei, não cheguei lá. Se eu conseguir lá chegar, não sei se conseguirei contar. Nossa as coisas estão cada vez mais estranhas. Não consigo mais ler com clareza o coração dos próximos, tanto os próximos que longe esta, quanto aos próximos que se encontram perto. Estranho não? É o que estou achando. Existe uma nevoa negra que esta cobrindo o coração de todos. É o que enxergo agora.
Vou esperar a próxima Lua minguante para fazer uma magia forte para dissipar este fenômeno que não consigo descrever. Espero que o tempo, existente ou não me de razão.
A vida se tornou um labirinto, todas as palavras descrevem um labirinto, colorido,cheio de flores e cheiros aguçados, açucarados talvez. O pior é que palavras descrevem este labirinto mas não descrevem sua saída. Será importante sair? Não sei! Será importante ficar? Sei lá! O que fazer lá dentro? Não consigo descrever, apenas agir. Com o coração? Talvez! Com a razão? Sei lá!


Marcinha Luna
tarde de verão 2009

11 de jan de 2009

Lua Cheia!

Oh!Adorável Lua Cheia
Que fica durante toda a noite a brilhar,
Iluminando nossos sonhos e fazendo
Com que eles se realizem.
Faça nos perceber o quanto até
Mesmo em meio a nebulosidade da vida,
Exista a luz e a esperança
E que estes adjetivos
Mantenha-nos sempre no caminho
Dos sonhos, seguidos de sua realização.
Que aprendamos durante a vida,
Que em tudo o que existe a harmonia
Esta presente, e que para isto
Existe dentro de nós o coração e a alma,
Para sentir a energia e saber usa-la sempre,

E muita responsabilidade.
Que assim seja,
Que assim será!

Marcinha Luna
Madrugada de verão 2009

7 de jan de 2009

Festejos





Festejos se vão?!
Não!
Todos são seus dias, todos são seus momentos.
A Lua sorrindo ou escondida!
O Sol Brilhando ou se omitindo!
O calor a aquecer ou simplesmente o frio a nos fazer tremer!
Tudo pode ser Festejo!
Festejar a Água que cai do céu,
Límpida e transparente como o sentimento de uma criança: sopra
Festejar o vento que sopra.
Quente como o respiro de um apaixonado
Festejar o fogo tão brilhante
Tão reluzente que nos aquece
Festejar a Terra que nos sustenta
Em todos os sentidos.
Festejar agora, amanhã e sempre:
Festejar as dádivas da vida
Festejar as tristezas como
Sinal da alegria futura
Festejar a tudo, festejar.
Festejar e festejar a todo e qualquer momento.

Marcinha Luna
Madrugada de Verão, 2009
.

6 de jan de 2009

Lua Crescente...Sorridente!

Oh! Lua sorridente no céu...
Que o seu sorriso me traga alegria,
Que sua luz ilumine o meu caminho,
Que sua energia me traga sabedoria,
Me traga prosperidade e muita responsabilidade.
Desde já agradeço a realização do meu desejo...
Que assim seja...
Paz, luz e harmonia!

Marcinha Luna