14 de dez de 2008

Linhas

Não me encontro mais pendurado no limite do mundo! Estou agora seguindo a linha que o delimita. Tento agora olhar o passado. Não consigo. Queria eu analisar o que foi feito em minhas vidas passadas, tentar corrigir erros. Mas não consigo. Sinto-me trancada, trancada aqui no presente que não existe pois já se passou. Não consigo me lembrar nem do ontem, queria te contar, mas não dá. Queria conseguir me lembrar de momentos lindos e belos, mas não consigo me lembrar nem mesmo dos momentos de grande tristeza. Sei que são muitos, tanto uns como outros. Ai, Ai! Grande vida misteriosa. O que esconde por trás de suas linhas, verticais e horizontais? Escondem amores, desilusões… paixões e ódios… vida e… Por que tu preferes elucidar as coisas aos poucos?! Dê-me seu livro para que eu posso ler pelo menos a parte que cabe a mim, a parte que cabe a minha vida!

Marcinha Luna
noite de Primavera 2008