3 de out de 2010

Infinito Particular

A existência... parece
Assim tão frágil!
Tão pequena e sensível...
Sempre variando... Complexa...
E eu...

Vou assim e assim não vou!

Minha vida, tão curta...
Muitos caminhos existem e
Poucos eu sigo!

Sou assim e assim não sou!

Tempo! Meu problema, inimigo,
Amigo, sem sentido!
Na treva eu vejo.
Deixo de ver no clarão!
Na claridade, fico cega!

Sou assim e assim, não, não sou!

Polida! Na dureza da vida!
Na raiva da existência...
Sou e deixo de ser.
Caio e me levanto!
Sou forte, madura, imatura!
Leve e segura!

Mas...

Não me siga... meu caminho
É longo... tão curto!
Não me conheças. Sou serena...
Me deixe... não sei onde ir.
Não me perca e não me encontre,
Sou complexa, assim como ela.
Quero ir, enquanto fico... apenas, sinto!
Sinto um infinito, meu infinito...
É particular...

Sou assim e também não sou!

Márcia Alcântara
Primavera de 2010, palavras com sentido único... particular.

1 de out de 2010

Escrito solto

Acordei na euforia de observar o Sol e sentir o seu calor, mas ele não apareceu, o calor sim, mas o sol não. Assim na euforia de tudo ver e tudo ter, percebi que nada é assim. A euforia esta em mim e eu a criei, não adianta nada culpar fatores externos a mim por isso. Tudo é criação minha e do meu sentir. Até mesmo o sonho que tive esta madrugada...

Todas as palavras querem dizer aquilo que esta interno em mim. Se coloco para fora é por que estão atrapalhando o andamento de novos sentires, o trânsito lá dentro se torna um tanto quanto complicado.

É engraçado ou estranho as pessoas torcerem seu bicos quando o outro resolve falar ou escrever... pessoas estas que estão, por dentro, um tanto quanto recheada de conceitos (recheio esse meio indigesto) dos quais enfiaram nelas goela a baixo, e pela simples falta de amor próprio a si mesmo, se deixaram influenciar pelo que dizem que é. Não, não é! Não me poergunte o que é, descubra!

Mas não sou eu quem vá abrir vossos olhos, quem pode fazer isso é apenas vocês mesmos! Nem o tempo e nem Deus pode fazer esta cura! Risos...

Márcia Alcântara
Entendendo um pouco minha relação para com o mundo e sua totalidade em plena primavera de 2010 - nunca é tarde, o tempo está em mim e ele é apenas para mim.