9 de jul de 2014

Bolsa Tristeza


Sobre a Copa 2014
Sabe, demorei muito para me entregar a copa. Eu, até certo ponto, seria daqueles que usariam preto em dia de jogo. Não concordo com os gastos, por mais que os inteligentes do setor político digam ao contrario. Somos um país carente de saúde e educação, de segurança. Como poderíamos acomodar tantas pessoas onde a tentativa de justiça é com as próprias mãos. Enfim, me entreguei, talvez pelo meu filho, talvez pela pressão de um conjunto, da sociedade a que se vive. Ou quem sabe ainda, por que aqui bate um coração verde e amarelo, uma esperança de estar num país melhor (hexacampeão), ou porque ainda, porque sou #brasileiracommuitoorgulho. Não sei,  eu fui, me joguei de cabeça. E agora, com a cabeça quebrada, explicar pro meu filho o motivo da derrota, a pior de todos os tempos. Para ele será um grande aprendizado que levara para sempre a lição. Já tinha alertado a ele sobre o possível final, sobre a derrota, mas não com um placar tão desastroso. Por sorte, acredito eu, que ele não entenda, ainda, ou quem sabe até entende,  pois vira e mexe ele, com 7 anos me da muitas lições, mas como eu vou ficar?  Entendo que nosso dinheiro foi gasto com o que os nossos visitantes não levaram na mala os “investimentos”, mas e educação, saúde e segurança, quando virá? O que vai virar esse país? Uma politicagem nojenta e desastrosa. Sabe, foi apenas um desabafo, mas sei que o Neymar não foi para o Hospital das Clinicas ou para o Mario Covas, os policiais extra-convocados, voltaram aos seus postos normais e o acordo feito com o PCC para que as manifestações cessassem, acabará... É o fim. Tem ai uma “Bolsa Tristeza”? 

Márcia Alcântara