13 de jan de 2009

Tempo...Labirinto

Corro. Vivo a correr a todo o momento. Minha referencia de tempo é uma. Para as coisas que tenho para fazer, o tempo simplesmente é outro. Qual o verdadeiro? Não sei!
Tem algum verdadeiro? Sei lá! Existem dois? Não sei o que responder. Sigo uma linha que parece não ter fim. Talvez a linha do tempo tenha fim, ainda não sei, não cheguei lá. Se eu conseguir lá chegar, não sei se conseguirei contar. Nossa as coisas estão cada vez mais estranhas. Não consigo mais ler com clareza o coração dos próximos, tanto os próximos que longe esta, quanto aos próximos que se encontram perto. Estranho não? É o que estou achando. Existe uma nevoa negra que esta cobrindo o coração de todos. É o que enxergo agora.
Vou esperar a próxima Lua minguante para fazer uma magia forte para dissipar este fenômeno que não consigo descrever. Espero que o tempo, existente ou não me de razão.
A vida se tornou um labirinto, todas as palavras descrevem um labirinto, colorido,cheio de flores e cheiros aguçados, açucarados talvez. O pior é que palavras descrevem este labirinto mas não descrevem sua saída. Será importante sair? Não sei! Será importante ficar? Sei lá! O que fazer lá dentro? Não consigo descrever, apenas agir. Com o coração? Talvez! Com a razão? Sei lá!


Marcinha Luna
tarde de verão 2009